Dê um basta na violência sexual no Carnaval

Participe da campanha da Aldeias Infantis e ajude impedir que milhares de crianças e adolescentes sofram violência sexual em grandes eventos!
deumbasta-violencia-sexual_01.jpg
   

No Brasil, por hora, cerca de 13 crianças são exploradas sexualmente. Dessas a maioria delas tem entre 7 e 14 anos. E para piorar esse número é ainda mais dramático no Carnaval, período em que 17% dos casos acontecem!.

Para colocar o tema na agenda pública e combater a violência familiar, a organização humanitária internacional Aldeias Infantis SOS Brasil convida todos a participarem da campanha “DêUmBasta”. A iniciativa é continental e reúne 16 países da América Latina para lutar contra essa situação dramática.   

 
Um ciclo permanente
Essas violências deixam cicatrizes, sejam elas físicas ou emocionais. Comprometendo a saúde, autoestima, aprendizado e vida social das crianças e, pior, se torna um ciclo, pois tem o potencial de torná-las adultos violentos. É para dar um basta nesse ciclo que a campanha se centra.
 
Violência invisível
deumbasta-violencia-sexual_02.jpg

Embora sejam alarmantes, os dados sobre a violência contra crianças e adolescentes no Brasil, durante grandes eventos e dentro ou fora de casa, são apenas uma fração da realidade.  Eles traduzem apenas denúncias feitas, em 2015, ao Disque 100, serviço disponibilizado pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos para que qualquer cidadão possa denunciar uma violação aos direitos de crianças e adolescentes.

Não estão registrados no Disque 100 as evidencias cotidianas apresentadas em hospitais, delegacias, conselhos tutelares, escolas e centros sociais. Isso porque não há qualquer banco de dado público que concentre esses números.

“Enfrentamos um grave silêncio em relação à violência direcionada a crianças no país, pois há muita omissão. Acabar com a violência pelas quais as crianças sofrem dentro de suas casas é combater o principal motivo que as separa de seus responsáveis”, afirma Sandra Greco, Gestora Nacional da Aldeias Infantis SOS Brasil.

Políticas públicas
A falta de diagnóstico real do que ocorre inviabiliza a construção e implementação de políticas públicas efetivas para combater a prática. Afinal, como lutar contra algo que é desconhecido?

Em seu trabalho de incidência política pelo Brasil, a Aldeias Infantis SOS quer dar luz a essa problemática articulando redes, movimentos e instâncias públicas para obterem levantamentos realistas e usá-los na implementação de planos local, regional e federal.

O que queremos!

Dados Realistas
- Vamos realizar uma petição para responsabilizar o poder público, como a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, a produzir uma pesquisa nacional sobre a violência familiar contra crianças e adolescentes. Quanto maior o número de assinaturas, maior nossa força para exigir a produção destes dados e, com isso, lutar por melhorias nas políticas públicas de prevenção à violência e à perda do cuidado parental. Assine agora a petição.
 


Romper o Ciclo
deumbasta-violencia-sexual_form01.jpg

A Aldeias Infantis SOS Brasil pretende garantir a prevenção da violência e a quebra de seu ciclo em seus 24 programas pelo Brasil, que atendem mais de 6 mil crianças e adolescentes, tal como suas famílias.

Oferecemos alternativas de cuidado quando crianças perdem o cuidado de seus pais e mães, garantindo que a reintegração ocorra a partir de um amplo trabalho de apoio social, psicológico, educativo, laboral e de saúde.

Ao mesmo tempo, fortalecemos famílias e comunidades vulneráveis, a partir de um trabalho que de vigor e amplie as competências do capital social dessas localidades. 

E promovermos melhorias em políticas públicas para que nenhuma criança cresça sozinha e sem seus direitos respeitados.    

Debate público
deumbasta-violencia-sexual_03.jpg

A Aldeias Infantis SOS Brasil espera também que o tema seja colocado no debate público brasileiro, pois acabar com a violência contra as crianças é uma prioridade.

Por isso, a Aldeias Infantis SOS se juntou a governos, fundações, empresas e a outras organizações da sociedade civil para lançar a Aliança Global pelo Fim da Violência contra a Infância. Intersetorial, a iniciativa tem o compromisso de acabar com os maus tratos, a exploração e todas as formas de violência e tortura contra crianças até 2030, meta disposta nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aprovados pelos Estados Membro da Organização das Nações Unidas (ONU) setembro de 2015.

A cada cinco minutos, uma criança morre devido à violência no mundo e a Aliança terá uma forte agenda de ação. Ela e defende que nenhuma violência contra a infância é justificável e que todo tipo pode ser prevenido.

Você pode fazer a diferença
Una-se à campanha #DeUmBasta e faça parte da mudança!