22. junho 2018 | Dia da Aldeias Infantis SOS no mundo

Dia da Aldeias Infantis no mundo

A data homenageia o fundador da instituição Hermann Gmeiner, que mudou a vida de milhares de crianças e adolescentes

Dia-Aldeias-InPost-(1).jpg

Em 23 de junho é comemorado o Dia Internacional da Aldeias Infantis SOS. A data foi criada em homenagem ao seu fundador Hermann Gmeiner, que por seu trabalho social mudou e influenciou milhares de crianças, adolescentes e famílias vulneráveis em 135 países. Segundo ele, "toda grande obra no mundo só se torna realidade, quando alguém faz mais do que ele tem de fazer”. E Germiner fez!

Nascido em 1919, na Áustria, Hermann Gmeiner foi o sexto em uma família camponesa de nove filhos, em Alberschwende, na região de Vorarlberg daquele país. Aos cinco anos perdeu a mãe e foi criado com seus irmãos por sua irmã mais velha, Elsa.

Antes de terminar o ginásio, em 1940, foi incorporado ao exército alemão, para lutar na guerra contra a então União Soviética. Tendo experimentado os próprios horrores dos combates como soldado, ele foi confrontado com o isolamento e o sofrimento de muitos órfãos e crianças após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Em 1949, com o equivalente a apenas 70 reais no bolso, mas com a ajuda de muitos apoiadores, nasceu uma organização especial, que trazia uma esperança de vida para centenas de crianças e adolescentes, a Aldeias Infantis SOS. Gmeiner ainda dirigiu a SOS Kinderdorf International na Áustria até sua morte, em 1986, sem deixar de incentivar a criação de novas unidades e projetos e a inovação pedagógica.

Nos anos seguintes, as atividades das Aldeias se espalharam para outros continentes e hoje estão na maior parte do mundo por meio de suas associações nacionais. Cada país opera de maneira independente e coordena o trabalho de suas instalações com a colaboração de autoridades, instituições parceiras e Amigos SOS do país.

SOS no Brasil
No Brasil há mais de 50 anos, a Aldeias Infantis SOS está presente em 10 estados e no Distrito Federal, onde atua com 187 projetos em 27 localidades para que nenhuma criança tenha que crescer sozinha. São atividades diárias que geram impactos positivos para mais de 11 mil pessoas.

Os programas atuam em três frentes: Cuidados Alternativos para crianças que foram separadas de seus pais e responsáveis, Fortalecimento Familiar para que as crianças permançam com suas famílias e comunidade, e Advocacy, para advogar pelos direitos de crianças e adolescentes marco legal brasileiro e na implementação de políticas públicas .

Todos as ações estão embasadas no cumprimento da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Crianças, de 1989, nas Diretrizes sobre Cuidados Alternativos para Crianças (ONU), no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), de 1990, e no Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária (PNCFC).