4. novembro 2019

Aldeias Infantis promove campanha da Não Violência Contra a Mulher

Ação se estenderá durante todo o mês com websérie, cartilha e textos de conscientização

A cada 60 minutos, 536 mulheres são agredidas no Brasil. Em apenas um minuto, ao menos três mulheres são espancadas ou sofrem tentativa de estrangulamento. Enquanto você lê este texto, dezenas estão passando por algum tipo de violência física e, inclusive, sendo mortas. 

Os dados do relatório Visível e Invisível: a Vitimização da Mulher no Brasil, realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e Datafolha, com informações de 2018, apresenta em números a pandemia nacional de violência contra a mulher. 

Somente em 2018, foram 4.069 vítimas de homicídios do sexo feminino, sendo que 1.206 casos foram registrados como feminicídio, ou seja, foram vítimas de crimes de ódio pelo fato de serem mulheres, de acordo com a 13ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública.  

"A violência doméstica contra a mulher é um dos grandes fatores que causam o afastamento de crianças e adolescentes dos seus lares de origem", afirma a psicóloga da Aldeias Infantis, Eliane de Jesus Pinto. Mesmo nos casos em que não são alvos das agressões, os filhos também são vítimas e necessitam de assistência.   

Segundo pesquisas recentes, crianças que presenciam esse tipo violência correm risco de enfrentar diversos problemas psicológicos, emocionais, comportamentais, sociais e acadêmicos. Elas também podem ter atitudes inadequadas a respeito da violência, utilizando-a como forma de resolver conflitos. 

O trato da mãe com o filho também pode sofrer alterações em contextos de violência. “O que é bastante comum acontecer é o abandono afetivo, uma vez que o parceiro agressor comete a violência psicológica, induzindo a vítima a cometer tal prática”, afirma a profissional.  O abandono afetivo consiste na omissão de cuidado, criação e educação, além da falta de assistência moral, psíquica e social aos filhos. 

A missão da Aldeias Infantis SOS Brasil em garantir que nenhuma criança cresça sozinha também passa pelo combate a violência doméstica. Rodas de conversa, encaminhamento para órgãos responsáveis e ações para o fortalecimento de vínculos são algumas ações que promovemos em todo o país para garantir a reestruturação e desenvolvimento das vítimas. 

O combate à violência contra a mulher é um dever de todos. Diante desta premissa, a Aldeias Infantis SOS Brasil está promovendo uma campanha da Não Violência Contra a Mulher, culminando no dia 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, instituído pela ONU há 20 anos. 

A mobilização se estenderá por todo este mês e será centrada na websérie Cultivando o Cuidado, que retrata o projeto de mesmo nome realizado em Foz do Iguaçu (PR) para o acolhimento e empoderamento de vítimas da violência doméstica.  

A cada semana serão lançados dois novos capítulos que serão encaminhados por e-mail, com informações sobre os projetos e orientações. A Aldeias Infantis também produziu uma cartilha, explicando como identificar, evitar e denunciar todos os tipos de violência.  

Se você já recebe as nossas comunicações, fique ligado nos e-mails para não perder nenhum episódio. Caso você não esteja cadastrado na nossa base de e-mails, clique aqui para receber a sua cópia da cartilha e ter acesso a websérie. 

  Quero Apoiar!