18. dezembro 2018

Projeto Escola de Pais gera transformação em Caicó

Iniciativa conta com formações sobre direitos, saúde, educação e cursos para geração de renda

O projeto Escola de Pais, realizado pela Aldeias Infantis SOS em Caicó (RN) encerra o ciclo de 2018 com resultados muito positivos. Em 2017, eram 45 famílias atendidas, mas graças ao apoio da empresa booking.com, o projeto deste ano conseguiu aumentar para 85 o número de famílias atendidas, beneficiando mais de 250 pessoas.
 
Dentre as atividades promovidas para as famílias, estão formações sobre direitos, saúde, educação e cursos para geração de renda. Muitas famílias já demonstram avanços no que se refere ao cuidado infantil. Uma delas, Ana*, mãe de três filhos, conta que o projeto a ajudou a entender a importância de cuidar melhor de seus filhos, além de oferecer oportunidade para gerar renda.

"Tenho 3 filhos e um histórico de depressão que, às vezes, deixa tudo muito difícil. O curso de manicure foi uma forma que encontrei de aprender algo para gerar renda e, ao mesmo tempo, socializar e ocupar minha mente”, conta. Hoje, ela já consegue incrementar a renda familiar oferecendo seus serviços na comunidade onde vive.
 
Segundo o gestor do programa, Junior Santiago, o projeto tem papel fundamental na quebra do ciclo de pobreza e prevenção a acolhimentos e violações de direitos de crianças.

"Muitas vezes, um pai ou mãe não tem referência de cuidado parental pois eles próprios foram vítimas de violência, negligência, trabalho infantil ou outras violações que atingem crianças e adolescentes mais vulneráveis, o Escola de Pais vem trazer um apoio e base para que essas famílias possam ser melhor desenvolvidas".
 
A Booking.com renovou o apoio para 2019 e muitos desafios já estão na pauta da equipe do projeto. "As famílias tem inúmeras necessidades e o nosso trabalho é de formiguinha. Nosso maior desafio é conquistá-las para que participem das ações do projeto, pois muitas delas acreditam não terem saída para seus problemas. A mudança já aconteceu em algumas delas, mas o nosso maior desafio é que essas famílias se entendam como cidadãos que buscam seus direitos e cumpram com seus deveres." fala Naara Sena, assistente social da Aldeias Infantis SOS.
 

 


*nome fictício para proteger identidade