Conheça

A Aldeias Infantis SOS é uma organização humanitária internacional que luta pelo direito das crianças a viverem em família.

Atuamos junto a crianças, adolescentes, jovens e famílias que perderam o direito ao cuidado parental ou estão em risco de perdê-lo.
 
No Brasil, há 54 anos trabalhamos para que cerca de 165 mil crianças, jovens e adolescentes pudessem viver em família, com seus direitos assegurados e a possibilidade de um futuro digno. Atualmente, são 72 projetos de cuidados alternativos, fortalecimento familiar e apoio ao jovem, em 31 localidades, para que nenhuma criança tenha que crescer sozinha.
 
Em 2020, atendemos mais de 14.000 pessoas diretamente em nossos programas no país. Também atuamos em resposta a emergências, e apoiamos mais de 32 mil pessoas, em resposta à pandemia.
 
Trabalhamos em todo o mundo desde 1949, quando foi fundada a primeira Aldeia Infantil SOS, na Áustria. Somos a maior organização de atendimento direto à criança, presente em 137 países. Já atendemos mais de 4 milhões de crianças em todo o mundo, em nossos 72 anos de existência, sem contar com os mais de 160 programas de emergência. Recebemos inúmeros prêmios e reconhecimentos, incluindo a honraria Mensageiro da Paz, pela ONU, e nomeações ao Nobel da Paz.

Sobre nós

Nosso trabalho

Somos uma organização humanitária internacional sem fins lucrativos, não governamental e independente, que luta pelo direito das crianças, adolescentes e jovens a viverem em família.
 
Fatores como desemprego, violência intrafamiliar e de gênero, desastres naturais, uso problemático de drogas e exploração sexual expõem crianças e suas famílias a uma situação de vulnerabilidade, colocando-as em risco de serem separadas e violando o direito a viverem em uma família com proteção e afeto.
 
A Aldeias Infantis SOS atua no Brasil há 54 anos, cuidando de crianças, adolescentes, jovens e famílias que perderam o direito ao cuidado parental ou que estão em risco de perdê-lo.
 
Toda criança tem direito a um cuidado de qualidade. Isso significa um ambiente seguro e protetor, em que cada criança possa crescer e atingir todo seu potencial. Trabalhamos com as famílias para evitar a desagregação familiar e com as comunidades e Estados para fortalecer sua capacidade de proporcionar um ambiente familiar protetor e de apoio às crianças, adolescentes e jovens que precisam de alternativas de cuidado.
 
Oferecemos a melhor resposta para o nosso grupo meta e adaptamos nossos serviços ao contexto local. São mais de 70 projetos em 31 localidades pelo país, para que nenhuma criança tenha que crescer sozinha.

Cuidados Alternativos

Acolhemos crianças, adolescentes e jovens que perderam o cuidado parental, trabalhamos para oferecer atendimento individualizado e de qualidade às crianças que temporariamente ou de forma permanente não podem mais morar com seus pais. Assumimos o compromisso de garantir os mais altos padrões de cuidado em nossos programas e trabalhamos com governos e comunidades para melhorar os sistemas de cuidados alternativos.

Espaços Protetores

Oferecemos espaços protetores para crianças e adolescentes em Serviços de Atenção Direta Básica, prestados diretamente ou em parceria, por meio de ações de educação formal (creche) ou informal (centros-dia), oferecidos em meio período ou em período integral, a crianças e adolescentes, visando a apoiar as famílias no cuidado, prevenindo o abandono e situações de vulnerabilidade, no período em que os responsáveis estejam ausentes, propiciando o desenvolvimento integral.

.

Apoio ao Jovem

Oferecemos serviços específicos à juventude, com oportunidades de aprendizagem e crescimento, respeitando a condição individual. Desenvolvemos habilidades para a vida e a inclusão social, o que abrange orientação educacional, vocacional e profissional, visando à autonomia do jovem.

Emergência

Protegemos crianças e famílias em situações de emergência. As crianças são particularmente vulneráveis durante emergências humanitárias. Em tais situações, colocamos a proteção das crianças e de suas famílias no centro de nossas ações, respeitando a diversidade cultural.

Onde estamos